Instituto propõe geradoras de energia para recuperação do Rio Taquari

Construir novas geradoras de energia elétrica de pequeno porte podem ser fundamentais no auxílio de recuperação do Rio Taquari. É o que sugere representantes da Associação Brasileira de PCHs e CGHS.

PCH Pequena Central Hidrelétrica e CGH Central Geradora Hidráulica são usinas com reservatório de até três quilômetros quadrados e com potência instalada entre  e megawatts. As CGHs têm potência de até mw. São centrais de energia baratas para construção e com dano menor ao ambiente virtual vps.

Nelson Araújo Filho, representante do Instituto Agwa Soluções Sustentáveis, responsável por ações de preservação e estudos sobre a ação do homem ao meio ambiente, explica que a conversa com os produtores está em fase inicial.

“Primeiro vai gerar energia. Há demanda no setor. Vai ajudar a salvar o Pantanal e o produtor rural vai gerar receita”.

De acordo com o representante do Agwa, um dos problemas que mais contribuem para o assoreamento do Rio Taquari é a quantidade de areia carregada pelo Rio Coxim e que desemboca na área entre Camapuã e Figueirão. “Por ele a areia chega ao Taquari”, diz.

Após Coxim, a largura do Rio Taquari dobra de largura e os bancos de areia acabam ocupam praticamente metade do leito. Um cenário devastador no Pantanal de Mato Grosso do Sul.

“Vamos fazer uma parceria com o Instituto para conter sedimentos e auxiliar na recuperação do Rio Taquari. Com a implantação de PCHs e CGHs nas áreas onde se concentram os fluxos desedimentos erosivos, vamos ajudar na revitalização do rio, que infelizmente enfrentou as trágicas consequências de seu assoreamento”, destaca Pedro Dias, vice-presidente do Conselho Administrativo da Associação Brasileira de PCHs e CGHS.

Os próximos passos são levar a proposta ao poder público. De acordo com a entidade, uma PCH depende de estudo para avaliar o potencial hidráulico do rio onde será instalada e de um projeto básico para análise a aprovação da Aneel Agência Nacional de Energia Elétrica.

No caso da CGH, a licitação é considerada simples, bastando apenas a comunicação ao órgão regulador e fiscalizador sobre a intenção de implantação do sistema após a elaboração do estudo e do projeto.

O prazo de implantação de uma pequena central hidrelétrica é de cinco anos, enquanto uma central geradora hidráulica é a metade desse período.